domingo, 11 de setembro de 2011

Condição.





- Está um belo dia - disse eu, ganhando tempo.
- Sim, está.
- Quente, também.
- Isso é porque estás ao sol.
Olhei em volta, sentindo a tensão a aumentar.
- Olha, aposto que não há uma única nuvem no céu.
Desta vez, Jamie não respondeu e permanecemos em silêncio durante alguns momentos.
- Landon - disse ela, por fim - não vieste aqui para falar do tempo, pois não?
- Na verdade, não.
- Então por que é que estás aqui?
O momento da verdade tinha chegado. Aclarei a garganta.
- Bem... queria saber se vais ao baile de regresso às aulas.
- Ah - disse ela. Pelo tom da voz até parecia que desconhecia a existência de tal coisa. Mexi-me irrequieto na cadeira e aguardei a resposta.
- Na verdade, não tinha pensado em ir - disse Jamie finalmente.
- Mas se alguém te convidasse, irias talvez?
Levou um momento a responder.
- Não tenho a certeza - disse, pensando com cuidado.
- Suponho que sim, se tivesse oportunidade. Nunca fui a um baile de regresso às aulas.
- São divertidos - disse eu rapidamente. - Não muito divertidos, mas divertidos. - Especialmente quando comparado às minhas outras opções, não acrescentei.
Ela sorriu perante o meu recuo.
- Teria de falar com o meu pai, claro, mas se ele dissesse que não havia problema, então suponho que talvez fosse.
Na árvore junto à varanda, um pássaro começou a chilrear ruidosamente, como se soubesse que eu não deveria estar ali.
Concentrei-me no som, tentando acalmar os nervos. Há dois dias apenas não me poderia ter imaginado a pensar naquilo sequer, mas de repente, ali estava, ouvindo-me a proferir as palavras mágicas.
- Bem, gostarias de ir ao baile comigo?
Percebi que tinha ficado surpreendida. Penso que ela julgara a pequena conversa que conduzira à pergunta um preâmbulo para o convite de outra pessoa. Por vezes, os adolescentes mandam os amigos "estudar o terreno", por assim dizer, para não terem de encarar uma possível rejeição.
Apesar de Jamie não ser muito parecida com os outros adolescentes, tenho a certeza de que estava familiarizada com o conceito, pelo menos em teoria.
Em vez de responder imediatamente, todavia, Jamie virou a cara durante um longo momento. Senti uma sensação de vazio no estômago, porque presumi que ela iria dizer que não.
... ela voltou-se e olhou de novo para mim. Tinha um ligeiro sorriso nos lábios.
- Adoraria - disse ela, por fim. - Com uma condição.
Eu preparei-me, esperando não ser alguma coisa demasiado horrível.
-Sim?
- Tens de prometer que não te vais apaixonar por mim.
Sabia que estava a brincar pela maneira como se riu, e não pude deixar de suspirar de alívio. Ás vezes, tinha de admitir, Jamie revelava bastante sentido de humor.
Sorri e dei-lhe a minha palavra.



# Um Amor para Recordar - NICHOLAS SPARKS.