segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

- Dance comigo.


A luz da lua espalhava-se nos degraus do terraço, e ao longo do jardim as tochas iluminadas reluziam. O cenário tranquilo serviu para acalmá-la e, descendo até o jardim, Elizabeth caminhou a esmo,cumprimentando os poucos casais que encontrava pelo caminho. Parou nos limites do jardim e, virando à direita, entrou no caramanchão, um tipo de mirante cercado de plantas. O som de vozes esvaía-se no ar, deixando apenas os acordes distantes da música. Permaneceu parada  ali por alguns minutos, quando ouviu uma voz aveludada dizer, atrás de si:

- Dance comigo, Elizabeth.

Assustada pela chegada silenciosa de lan, ela voltou-se e, deparando com ele, levou a mão automaticamente ao pescoço. Imaginara que ele houvesse se zangado com ela, na sala de jogos, mas a expressão de seu rosto era calma e terna. As notas ritmadas da valsa flutuavam em torno deles, e lan abriu os braços.

- Dance comigo  - ele repetiu, no mesmo tom suave e quente. Como se estivesse num sonho, ela caminhou até seus braços e sentiu-o enlaçar-lhe a cintura, puxando-a contra a firmeza de seu corpo. A mão esquerda de lan fechou-se sobre seus dedos, engolfando-os, e logo sentiu-se girando, presa nos braços de um homem que dançava a valsa com a graça tranquila de quem fizera isso milhares de vezes.


#Alguém para Amar - Judith Mcnaught.