terça-feira, 12 de outubro de 2010




O silêncio se instalou novamente, e os minutos foram se passando sem nenhuma palavra. Não havia dúvida de que a conversação não estava funcionando. Ela mudou de tática.
-Ian?
-  Sim, Lucia?
Ela bocejou.
-  Estou com muito sono.
Ele virou uma página.
-  Dê uma cochilada.
-  Não tenho travesseiro.
Ouviu-se um suspiro fundo do outro lado do Times. Ele baixou o jornal e olhou para ela. Ela olhou para ele, aguardando, esperando que ele entendesse a sugestão.
Ele entendeu, mas não parecia nem um pouco feliz com ela. Levantou-se rigidamente do banco em que estava e se sentou ao lado dela, oferecendo-lhe o ombro. 
-  Obrigada  -  disse ela, enrolando um braço ao redor da cintura dele, e ficou em silêncio.
Enquanto eles viajavam para Devonshire, ele leu o jornal, e ela não fez novas tentativas de conversar. Experimentou com prazer a sólida força do ombro dele sob o seu rosto, dizendo a si mesma que nem mesmo os muros de pedra são impenetráveis e podem ser lascados, pedacinho por pedacinho.

(...)

Era intolerável. Não havia como um homem poder ler um jornal em paz quando sua mulher estava usando o seu ombro como travesseiro e o braço dela estava ao redor da sua cintura. Era algo que desviava demais a atenção.



# Laura Lee Ghurke - " Muito mais que uma princesa ".